O que é Marketing Mix e como ele pode ajudar na estratégia de vendas?

O que é Marketing Mix e como ele pode ajudar na estratégia de vendas?

Também conhecido como Composto de Marketing, o Marketing Mix é um dos conceitos mais importantes nas áreas de marketing e vendas. Criado pelo professor Jerome McCarthy e difundido por Philip Kotler, o Marketing Mix são os 4 Ps: Produto, Preço, Praça e Promoção.

Quem estudou Publicidade ou Marketing viu esses termos repetidas vezes e já está bem familiarizado, mas se você é um empreendedor que só quer fazer o seu negócio dar certo, continue lendo esse artigo que vamos te ensinar tudo o que você precisa saber para ter uma loja de sucesso.

Mas primeiro, você sabe o que é Marketing?

Muita gente acha que marketing é só vendas e propaganda. Sim, marketing também é vendas e propaganda, mas não só isso. Da língua inglesa, marketing vem da palavra market, que traduzida significa mercado, e do termo “to market” (comercializar). O “-ing” é um sufixo que pode ser usado para apresentar uma ação que está acontecendo agora. Então, podemos definir a palavra Marketing como “ato de comercializar agora”.

Ok, essa é a definição da palavra, mas o marketing é maior que isso. Fazer marketing é unir todas as variáveis de um produto e/ou serviço, criando valor para que as pessoas a consumam. E essas variáveis são múltiplas, mas podemos sintetizá-las em quatro principais: que tange no custo do produto (Preço), onde o produto é oferecido e comercializado (Praça) e como as pessoas descobrem o seu produto (Promoção), além do próprio produto, é claro.

Estratégia de vendas

Mas não adianta pensar em cada ponto isolado. Por exemplo, a Havaianas está no mercado desde 1962, mas por longos anos ela foi vista apenas como uma marca de chinelos para a baixa renda, por ser uma marca de sandálias de borrachas, simples e baratas. Entretanto, em 1994, eles decidiram mudar isso lançando a Havaianas TOP. Era uma linha que trazia cores fortes e um pouco mais altas, fugindo das clássicas solas brancas e tiras azuis ou pretas.

Com uma boa campanha e propagandas bem-humoradas, a marca passou a se tornar objeto de desejo da população, mesmo sendo mais caras que o modelo antigo. A distribuição também mudou. Agora as cores e modelos eram escolhidos de acordo com o público entorno do local de distribuição. Além disso, houve toda uma mudança nos pontos de distribuição, com mostruários e displays novos.

E, adivinha? O resultado foi surpreendente. O crescimento foi tanto que a empresa começou a exportar as sandálias. E hoje, mais de 20 anos depois, a Havaianas continua realizando os mesmos investimentos e ocupando status de artigo típico brasileiro, com lojas espalhadas por todo o Brasil e ao redor do mundo.

Mas não bastava eles terem mudado apenas as cores das sandálias (o Produto), ou surgir com uma nova tabela de valor (Preço), mudar seus pontos de venda e formas de distribuição (Praça) ou fazer comerciais engraçados (Promoção). A marca só obteve sucesso pois equilibrou esses quatro setores.

Conheça os 4 Ps

1- P de Produto

Toda empresa precisa oferecer algo. E não precisa ser só um produto físico. O produto é algo que é oferecido ao mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo, podendo ser um serviço também.

As organizações utilizam-se deste “P” oferecendo uma série de produtos visando atender a praticamente todas as necessidades do mercado. Em geral, as empresas possuem diversas linhas de produtos, de acordo com a participação de mercado, existem os considerados “carros-chefes“, outros para atender simplesmente alguns clientes, outros considerados intermediários e os temporários ou sazonais.

Para definir qual tipo de produto – e assim qual a sua importância para o mercado e para a empresa -, é importante definir quais as características e vantagens deste produto. Para isso, reúna sua equipe e responda essas perguntas de mapeamento:

  • Quais as necessidades e/ou desejos que seu produto/serviço satisfaz?
  • Quais as funções que ele irá desenvolver para atingi-las?
  • Como, quando e onde o seu cliente irá utilizá-lo?
  • Como é o seu produto fisicamente?
  • Existem outras cores, tamanhos e estilos disponíveis?
  • Qual o nome do produto?
  • Qual a marca?
  • Como ele se diferencia dos outros produtos/serviços já existentes no mercado?

Defina também qual é o Ciclo de Vida do seu produto/serviço. Assim, ficará mais fácil definir as melhores estratégias para sua comercialização.

2- P de Preço

Esse P é o que mantém a empresa viva. Afinal, a circulação de dinheiro na empresa é o que fará você pagar seus colaboradores, fornecedores, fazer investimentos e tirar o seu merecido lucro. E para estipular o melhor preço e uma boa estratégia de vendas, é importante ter em mente algumas questões respondidas:

  • Qual é o valor do seu produto e/ou serviço para o consumidor?
  • Quais as faixas de preço do seu produto em cada área de distribuição?
  • Seu consumidor está disposto a pagar pelo que você oferece? Sim? Então, qual o preço máximo?
  • É necessário criar diferenças de preço para segmentos de público (pessoas jurídicas, clientes fiéis, conveniados, etc.)?
  • O seu preço está competitivo com o dos seus concorrentes?

E lembre-se que valor é diferente de preço. Valor está relacionado com aquilo que não é tangível, enquanto preço é simplesmente o custo do produto. Um exemplo dessa relação está no transporte: por que pegamos Uber se o preço da passagem do ônibus é mais barata? Pegamos Uber porque ele oferece maior comodidade, segurança e facilidade. Logo, seu valor é superior ao do ônibus. As pessoas compram a marca, não o produto. Então, quanto mais valiosa sua marca, maiores chances você tem que os seus clientes continuem comprando de você.

3- P de Promoção

Não adianta nada ter um bom produto e um preço competitivo se ninguém sabe que ele existe. É importante criar estratégias para divulgar o seu produto.

Um grande erro cometido por muitas empresas é de cortar a promoção da sua estratégia. Muitas empresas investem apenas em seus vendedores e acreditam que ter um ponto de vendas resolve tudo. O problema é que elas percebem que essa estratégia é frágil apenas quando já faliram. Empresas grandes, por sua vez, entendem a necessidade da promoção, como a Havaianas que falamos anteriormente.

A ideia aqui é promover a sua marca e as soluções que ela traz, fazendo com que a mensagem chegue aos ouvidos certos. Dessa forma, você transforma sua empresa de uma mera portinha desconhecida em uma referência e solução para necessidades e desejos dos consumidores.

Pense:

  • Em quais canais está o meu consumidor (Facebook, Instagram, YouTube, Jornal, TV, etc.)?
  • Quais os melhores canais para divulgar minha marca?
  • Meu produto é sazonal (ovos de páscoa, por exemplo), então qual a melhor época para iniciar uma campanha de marketing e aproveitar o momento para aumentar minhas vendas?
  • Como os seus concorrentes fazem a promoção de seus produtos e serviços? E qual a influência deles sobre as suas ações?

Com essas ideias alinhadas, você e sua equipe poderão pensar em melhores estratégias para anunciar o seu produto e vender mais.

4- P de Praça

Praça é onde seu produto será comercializado, os Pontos de Vendas (PDVs). Mas nessa questão outras questões importantes entram, principalmente como o cliente chegará até você.

No case da Havaianas, houve toda uma logística e planejamento dos PDVs, para que eles estivessem o mais acessível aos clientes. Então, para você identificar qual a melhor Praça que você pode atuar, pense:

  • Onde seu público costuma procurar pelos seus produtos e serviços?
  • Quais os tipos de estabelecimentos existentes hoje (pontos físicos ou virtuais – e-commerce)?
  • Sua empresa tem acesso a canais de distribuição efetivos?

Respondendo essas questões, você decidirá qual a melhor estratégia de Praça para o seu negócio. A região central das cidades costuma ser a melhor opção para empreender, visto que são regiões com enorme fluxo de pessoas, diversas empresas com o mesmo nicho de mercado – mesma clientela -, além da facilidade de locomoção.

Em Curitiba, o Centro Histórico tem se destacado como uma proeminente Praça para o comércio. Englobando desde o Teatro Guaíra até o Largo da Ordem, o Centro é uma região rica em cultura e história. É difícil encontrar um curitibano que nunca foi a Feirinha do Largo, ela é uma das maiores atrações da cidade, que também conta com inúmeros pontos turísticos de cultura e lazer, como igrejas, museus, praças, monumentos e diversos bares.

Nessa região, o tráfego de pessoas é enorme, sem contar a proximidade com inúmeros pontos da cidade, como shoppings (Estação e Mueller), universidades (UFPR), empresas, escolas e muito mais.

LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA + INTEGRAÇÃO ENTRE REGIÕES + ALTO FLUXO DE PESSOAS = CENTRO

Portanto, a Região Central com certeza é a melhor opção para empreender. Um ponto com alto fluxo de pessoas se deslocando para seus afazeres, a localização privilegiada e integração com as demais regiões, além da enorme força e centralização do comércio. Esses são diferenciais incríveis para abrir um negócio no Centro.

E A Travessa é o local perfeito para quem busca melhorar sua qualidade de vida, se divertir e reunir os amigos e família, o que a torna também o local perfeito para você abrir o seu negócio. Localizado na Rua Treze de Maio, 439, a galeria está aberta todos os dias para o público. Para visitas com um dos corretores da Imobiliária Prates, o horário é de segunda a sábado a partir das 9h, também é possível agendar visitas aos domingos. Venha conhecer!

Leia também: Por que abrir meu negócio na Travessa é a melhor escolha?

Quer saber mais sobre investimentos comerciais? Acompanhe nosso blog e nossa página no Facebook e fique por dentro de tudo sobre A Travessa.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

50% Desconto

NO ALUGUEL DURANTE O 1º ANO

Fechar